Para conter a atuação do movimento sindical e determinar a direção das lutas camponesas em Minas Gerais, a Delegacia Regional do Trabalho se articulou aos órgãos de segurança e informação e impôs diversas medidas. Criada em 1968 para representar a classe de trabalhadores rurais de Minas Gerais perante o Estado, a Fetaemg foi, em determinadas ocasiões, monitorada pelo DOPS/MG e controlada pelo ministério do Trabalho, por meio de sua delegacia regional, que esteve sob a chefia de Onésimo Vianna de Souza até o fim do governo Figueiredo.

A partir do golpe de 1964, houve o fechamento e a refundação de diversos sindicatos rurais, sendo a nomeação de Juntas Governativas uma prática comum que perdurou até os anos 1980. Além da exigência de atestados de antecedentes políticos e sociais para candidatos às diretorias, havia o monitoramento das assembleias de formação e eleição.

Série: perseguição política no campo

Submissões recentes