A prática da tortura é o exato oposto de um processo investigativo bem-articulado, uma vez que não se engaja em reunir diferentes informações provenientes de fontes diversas para subsidiar um interrogatório consistente. É antes um método brutal, no qual o torturador vai às últimas consequências para obter as informações que ele necessita para confirmar uma verdade já previamente estabelecida.

Submissões recentes